quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Comics : Documentário raro com as estrelas dos quadrinhos


Um documentário raro de 1987,intitulado "Masters of Comic Book Art",veio à tona no youtube no dia 18 de fevereiro,caras como Neal Adams, Steve Ditko,Will Eisner,Jean Giraud,Jack Kirby,Harvey Kurtzman,Frank Miller e Bernie Wrightson,estão falando sobre seus trabalhos mais famosos e dando sua opinião sobre os quadrinhos,apresentado por Harlan Ellison.Veja um pouco da conversa.
Kirby diz que sua inspiração para os quadrinhos de super-heróis inovadores na década de 1960 foi simples: "Eu tinha que vender,eu tinha que chegar com personagens que não eram estereótipos.Eu não poderia depender de bandidos e mocinhos,eu tinha que fazer algo novo."

Kirby diz que sua inspiração para criar Galactus estava na Bíblia
"Por alguma razão eu fui na Bíblia,então surgiu Galactus,e lá estava eu ​​em frente a esta figura enorme que eu conhecia muito bem,porque eu sempre o senti(Deus),e eu não poderia tratá-lo como qualquer outro mortal.E claro,o Surfista Prateado é o anjo caído."Ele continuou: "Os Novos Deuses evoluíram a partir dessas linhas míticas.Todo mundo tinha seus Deuses,então quais eram os nossos(quadrinhos)?Qual é a forma da nossa sociedade de tratar mitos e lendas?Quem são os nossos deuses malígnos e quem são os nossos deuses bons?Foi isso que eu tentei esclarecer com os Novos Deuses".Kirby finalizou,"Eu não resolvo as questões.Eu digo,que há lá fora?E tento resolver isso.Eu nunca consigo."

Ellison diz que as contribuições de Neal Adams para os quadrinhos,foram a de trazer o realismo e a credibilidade para o gênero de super-heróis com uma combinação de realismo e ação dinâmica, especificamente nas páginas de Deadman e sua obra com Denny O'Neil em "Lanterna Verde/Arqueiro Verde."

Neal Adams fala sobre a distinção entre uma banda desenhada(comics)e uma revista em quadrinhos: "Deadman foi uma oportunidade de experimentar formatos de página e layout.Eu tenho um pouco de radicalismo quanto a isso.Eu era totalmente indisciplinado e fora de ordem",disse ele."Eu poderia fazer qualquer coisa,como um desenho e dez desenhos em uma página só.Eu sentia que eu poderia guiar os olhos,que eu poderia pegar o leitor e fazê-lo ler do jeito que eu quisesse.Eu poderia fazê-lo parar quando eu quisesse que ele parasse,eu e o leitor poderiamos nos tornar um só"

Ellison descreve o criador de The Spirit,Will Eisner,como um inovador dos quadrinhos e um talento que aparece uma vez a cada cem anos.
Eisner diz que o termo "comics" é um erro,e que o meio mais adequado teria que ser arte sequencial.
Ellison chamou Harvey Kurtzman de o pai dos quadrinhos independentes e um excelente crítico social.Ele diz que o trabalho de Kurtzman em MAD e em outros lugares nos faz rir até doer e nos faz pensar até doer.

Ellison descreve o co-criador do Monstro do Pântano,Bernie Wrightson como o "mestre do macabro."
Bernie Wrightson diz:"O que sempre vem em primeiro lugar é uma imagem em minha mente eu sempre vejo algo muito bem definido,exatamente da maneira que eu quero desenhá-lo.O produto final é quase sempre como se eu tivesse um projetor opaco na minha cabeça projetando para fora através dos meus olhos,tudo que faço é seguir o que eu vejo."

Frank Miller falou sobre a natureza do cartunista contra a do escritor-artista."Nos anos 40,quando os quadrinhos começaram realmente a decolar,os quadrinhos em circulação eram geralmente feitos por uma pessoa que escreve e desenha,Will Eisner é o exemplo mais proeminente.Eu acredito que é uma arte.No entanto,eu não acredito que é a única maneira que possa ser feito.Minhas colaborações ensinaram-me que as coisas emocionantes acontecem quando outro artista está no trabalho,quando você está jogando com alguém,quando você enxerga todas essas surpresas e quando você tem todos esses problemas resolvidos. "

Dave Sim criador de Cerberus falou sobre sua compulsão para infundir entretenimento com mais humanidade."Se você fizer algo que funciona em sua vida,você vai encontrar uma maneira de colocar tudo o que é importante para você ou para qualquer um em um aspecto ou outro.Eu acho que David Byrne ajudou muito no estabelecimento do gênero "Ei isso é o que é".Se você vai fazer um filme ou um livro em quadrinhos que não tem duas pessoas conversando,o que está faltando é a essência do que é humano.Somos humanos porque nós sentamos e conversamos.Quantas brigas uma pessoa em média briga na vida?Quantas pessoas vão voando para suas varandas?Quantas pessoas entram em uma perseguição de carro?Estas coisas se tornam clichês em entretenimento mas são inexistente na vida real.O que faz a arte então?A arte era para ser algo que fala da condição humana.Você vê muito pouco do que se fala da condição humana nas culturas mais populares."

Spiegelman falou sobre onde ele gostaria que a cena dos quadrinhos de 1987 alcançassem: "Eu gostaria de vê-lo afastar-se do gênero da ficção,eu gostaria de vê-lo afastar-se da recapitulação obsessiva das mesmas fantasias,eu gostaria de ver um assunto mais reflexivo sobre o que as pessoas são,eu gostaria de vê-lo lutar com as mais difíceis questões morais e políticas,eu gostaria de vê-lo lidar com questões mais pessoais,eu gostaria de ver uma evolução estética,eu gostaria de ver as pessoas cujas origens não são desenhadas exclusivamente a partir de histórias em quadrinhos.
Eu não quero ver alguma coisa que possa ser cuspida de volta em terceiras e quartas e quintas gerações de quadrinhos.Quero ver algo que tenha suas raízes mais na realidade,tanto interior e exterior. "

Reações:

0 Comente:

Postar um comentário